Ouça a Rádio PRIME FM Ao Vivo

Assista a Prime FMOuça a Prime FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

“Vale Covid”: membros do Ministério público receberão R$1 mil por mês

A ajuda de custos para saúde, que ficou conhecida como ‘Vale Covid’ é para todos os membros do MP de Mato Grosso, e foi validada por meio do conselheiro Sebastião Caixeta.

Por meio do conselheiro Sebastião Vieira Caixeta, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) validou, a ajuda de custos para saúde, que ficou conhecida como ‘Vale Covid’ a todos os membros do MP de Mato Grosso.

O “Vale Covid”, que nada mais é do que uma verba ‘a mais’ disponibilizada para custear despesas com saúde dos membros e servidores do MP surgiu a partir do ato administrativo assinado pelo procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges, em maio de 2020.

De acordo com o documento, seria pago por mês R$ 1 mil aos membros do órgão ministerial e R$ 500 aos demais servidores.

No entanto, o polêmico ‘vale’ foi suspenso por uma ordem liminar em 8 de maio de 2020, por decisão do relator do caso Conselheiro do CNJ, Sebastião Vieira Caixeta. Porém, em nova análise do ato administrativo, o relator mudou o entendimento e votou pela cassação da liminar que suspendia o benefício.

Caixeta explicou que, à época, o valor que a instituição teria que aportar para realizar o pagamento, sendo de R$ R$ 9,6 milhões para bancar a indenização, demonstrou ser indevido levando em consideração o cenário de crise econômica causada pela pandemia da covid-19.

Mas diante nova averiguação, o conselheiro levou em consideração a Lei Estadual nº 9.782/2012, que já previa gratificação aos servidores do MPE para custos com saúde.

Ainda segundo o relator, o procurador-geral de Justiça José Antonio Borges, comprovou que o MPMT aprovisionou orçamento para financiar a verba.

Com essas considerações, constata-se, de plano, que, estando o pagamento do auxílio saúde para os membros do Ministério Público do Estado de Mato Grosso fundamentado em previsão legal e regulamentação em consonância com o entendimento até então prevalecente no Plenário do CNMP acerca do tema, não há providências a serem adotadas por esta Corte Administrativa”.

O conselheiro concluiu que a liminar que suspende o ‘vale covid’ não é procedente, uma vez que o ato administrativo não apresenta irregularidades e é fundamentado em uma lei, a qual não cabe julgamento de constitucionalidade pelo CNMP.

Ademais, conclui-se pela improcedência do pedido [de suspensão] quanto à forma como foi regulamentado auxílio, por meio do Ato Administrativo nº 924/2020-PGJ, que, além de não apresentar aparente irregularidade, é fundado em lei cuja constitucionalidade não cabe a este Conselho examinar”.

O voto do relator foi seguido pelo colegiado durante a sessão.

(Com Repórter MT)

Leia também- Após Discussão Com Namorada, Jovem É Encontrado Morto

Acompanhe essa e outras informações no Jornal da 93FM

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies