Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Decisão judicial impede atividades florestais em Sinop e outros municípios

A decisão se baseia durante todo o período de incidência da pandemia de covid-19, considerando não se tratar de atividade essencial e haver risco iminente para as populações amazônicas.

0 78

O setor de base florestal dos estados do Pará, Rondônia, Amazonas e Mato Grosso, que compõem a Amazônia Legal, está impedido de realizar qualquer movimentação de madeira no Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor) e a obter o Documento de Origem Florestal (DOF) em diversas cidades destes quatro estados.

Trata-se de uma decisão judicial do Amazonas, que atendeu ao pedido do Ministério Público Federal para obrigar órgãos federais (UNIÃO, FUNAI, IBAMA e ICMBio) a realizarem ações de fiscalização nos dez pontos considerados mais críticos de desmatamento da Amazônia, com ações de comando e controle para a conteção de agentes infratores ambientais.

A decisão se baseia durante todo o período de incidência da pandemia de covid-19, considerando não se tratar de atividade essencial e haver risco iminente para as populações amazônicas.

De acordo com a decisão de tutela antecipada, em Mato Grosso, os municípios integrantes dos hot spots de ilícitos ambientais são Alta Floresta, Apiacás, Aripuanã, Colniza, Juína, Nova Bandeirantes, Paranaíta e Sinop.

O Sindicato das Indústrias Madeireiras do Norte do Estado de Mato Grosso (Sindusmad), através do Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Matogrosso (Cipem) e Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF), está buscando reverter esta decisão.

Para o sindicato, o setor realiza o manejo florestal sustentável e atende todas as normativas estabelecidas pelos órgãos competentes, não sendo responsável pelo desmatamento ilegal, além disso, a paralisação do comércio legal da madeira do Estado coloca em risco cerca de 90 mil empregos diretos e indiretos gerados pelo segmento que é responsável por 5,4% do PIB estadual, e que é a base econômica de 44 municípios.

O assunto está sendo tratado em conjunto com FIEMT, CNI e Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal, a fim de restaurar a legalidade das atividades dos que trabalham licitamente.

Está sendo aguardada a resposta da Advocacia Geral da União/AGU, através da apresentação do respectivo recurso, no sentido de permitir a continuidade das atividades lícitas, o que estará sendo pleiteado através de recurso ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, no decorrer desta semana.

Protocolado o recurso junto ao TRF1, o setor florestal analisa, juntamente com os governos estaduais, protocolarem seus pedidos de assistência/amicus curiae, devido a gravidade dos impactos decorrentes da proibição à atividade madeireira legal em todas essas regiões atingidas pela medida.

O presidente do Cipem, Rafael Mason afirmou que “Praticamos e defendemos a colheita controlada de madeira que é sustentável, importante fonte de renda para os estados da Amazônia. Somos os primeiros a combater práticas ilegais e entendemos que a União deve sim coibir os ilícitos na floresta, no entanto, isso não significa que as indústrias que cumprem com suas responsabilidades econômicas, fiscais, trabalhistas, sociais e ambientais, tenham que pagar o preço por aqueles que atuam para destruir a floresta causando danos ao meio ambiente e a principalmente à reputação deste importante segmento”.

Para o presidente do Sindusmad, Wilson Volkweis, a decisão foi equivocada afetando as empresas que atuam dentro da legalidade. “A maior preocupação do setor é a conservação das florestas naturais, para a manutenção da atividade econômica a longo prazo. O Plano de Manejo Florestal Sustentável é 100% renovável e é a maneira mais eficaz de se manter uma floresta em pé. O ciclo é contínuo, de colheita e conservação”, explicou. (93 FM com Assessoria)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Politica de Privacidade & Cookies