Ouça a Rádio PRIME FM Ao Vivo

Assista a Prime FMOuça a Prime FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Violência contra a mulher: quando devo procurar ajuda?

No 2° dia de entrevistas para a campanha Agosto Lilás 93FM, recebemos a psicóloga Quetti Nunes, aonde ela explica os diversos tipos de violência, e qual o momento de pedir ajuda; confira.

Nesta quarta-feira (04), no segundo dia de entrevistas para a campanha Agosto Lilás 93FM, em combate a violência contra a mulher, recebemos nas dependências da rádio 93FM, a psicóloga Quetti Nunes, onde em uma bate-papo, ela esclarece fatos sobre a violência doméstica.

Quetti é psicóloga da pasta da Assistência Social, qual trabalha cuidando especialmente dos servidores, segundo ela, uma equipe saudável psicologicamente estará apta a cuidar melhor de pessoas.

“Nossa equipe é majoritariamente mulher, então quando uma mulher escuta ou presencia uma situação de violência, não tem como ela não se tomar pela temática”, explicou a psicóloga sobre a importância dos serviços na assistência social.

Violência

A psicóloga informa que um dos fatores da violência contra a mulher ter aumentado drasticamente durante o período de pandemia, é o fato do casal ter tido que conviver por mais tempo perto.

“Quanto mais eu convivo, mais eu enxergo, e mais eu consigo ver da essência do outro, e nem sempre essa essência é o que eu quero. Quando a gente casa, a gente casa porque a gente namora, e quanto tempo passamos juntos no namoro? Começou o desentendimento e  o que a gente faz? ‘tá amanhã a gente conversa’, e vai cada um para a sua casa. Quando você casa e está todo mundo no mesmo ambiente, como que eu vou para a minha casa? A minha casa é a sua casa”, explicou a psicóloga sobre o principal fator do aumento de violência.

Quetti também citou a violência contra a mulher, após a ingestão de bebida alcóolica por parte de agressor, e explicou todo o processo por parte neurológica.

“Nós temos na psiquiatria três instâncias: O ego, o id e o superego, e eles precisam estar em equilíbrio. O ego é quem está aqui agora falando, o consciente. O superego é constituído na primeira infância,  ele é a lei interna, aquilo que rege a pessoa naquilo que é certo ou errado para ela, estabelecido pelas normas sociais, pelas normas que os pais vão colocando nessa criança, e é ele que direciona o certo e o errado.

E o id é a parte instintiva, então quando eu bebo é como se o meu superego fosse nocauteado, ele adormece, ele fica embriagado, e libera o id. Aí o id estando solto, sem a função do superego operando que é a lei, pra dizer ‘não bate, não fala, não faz porque está errado’, ele fica solto e é aí onde acontece”, finaliza a explicação.

Terapia

Questionada em quando a mulher passa a perceber os sinais de violência, quais não consiste apenas na agressão física, mas também na moral, psicológica, sexual e patrimonial, ela pontua que a violência sempre começa pela palavra, com pequenas atitudes e isso vai aumentando a intensidade conforme o tempo.

Ela relata que quando a mulher notar que essa violência está começando por meio de palavras, se tem caminhos a serem seguidos.

“Nós temos dois caminhos, ou eu posso simplesmente abandonar esta situação e partir para um outro momento na minha vida, só que eu preciso entender que simplesmente fazer isso, a nossa tendência psíquica é repetir as histórias, então daqui a pouco eu vou encontrar outra pessoa parecida e a história vai se repetir.  Ou eu posso procurar ajuda, porque aí é o momento de se procurar ajuda psicológica, procurar uma terapia de casal, procurar uma terapia individual também, porque eu preciso entender porque eu me submeto a isso”, explicou a psicóloga.

A rede ligada a assistência social oferta serviços de tratamento psicológico para famílias baixa renda que passam por essa situação. Além disso, com o apoio da universidade Unifasipe, se tem um grupo de apoio para homens, qual trabalha o agressor. Anteriormente, era tratado apenas do psicológico da mulher, porém, Quetti Nunes explica que se não tratar o agressor, posteriormente ele vai arrumar outro relacionamento, aonde o caso se repetirá por diversas vezes.

Como denunciar?

Denúncias de casos de violência domésticas podem ser realizadas pela vítima, familiares e amigos, através do número 180, da Central de Atendimento à Mulher. Em caso de emergência, o pedido de socorro pode ser feito diretamente pelo 190.

Com a crescente de casos de violência e feminicídio no estado de Mato Grosso, algo deve ser feito para que as mulheres tenham direito a vida, sem que em algum momento sofram qualquer tipo de violência, seja ela psicológica, patrimonial ou até mesmo física, por isso a importância da campanha Agosto Lilás.

Agosto Lilás

A Campanha Agosto Lilás 93 FM,  vem com o intuito de conscientizar e combater a violência contra a mulher. Em combate ao mal, nós usaremos a nossa maior arma, o microfone.

Leia também –

Acompanhe outras notícias no Jornal da 93FM

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies
Open chat