Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Jornalista presa por desacato a PM, usará tornozeleira eletrônica

Além do crime de desacato e resistência, ela tem outras 22 passagens criminais de preservação de direito, ameaça, lesão corporal, perturbação, atrito verbal, constrangimento ilegal, vias de fato e injúria real. Confira mais detalhes sobre o fato.

A juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa, da 11ª Vara Especializada de Justiça Militar e Custódia da Comarca da Capital, concedeu liberdade à jornalista, e impôs medidas cautelares. A decisão é da noite de terça-feira (12) e determinou pagamento de fiança e uso de tornozeleira pela mulher.

A mulher mora no interior de Mato Grosso, tem 2 filhos, trabalha como jornalista e tem transtorno bipolar e sofre com alcoolismo, como consta na decisão. Considerando os fatores, a juíza arbitrou fiança de R$ 1.100 a ser paga em duas parcelas. Além disso, ela vai ser monitorada por meio de tornozeleira eletrônica, terá que apresentar comprovante de endereço, está proibida de frequentar bares e boates, além de se recolher entre as 22h e 6h.

A jornalista terá que comparecer aos alcoólicos anônimos por 6 meses.

“Concedo liberdade provisória à custodiada Nildes de Souza, mediante o pagamento de FIANÇA, que mantenho em 01 salário mínimo, em razão das alegações da custodiada de que possui emprego fixo, imóveis e renda de alugueis”, é a decisão.

A mulher foi presa na madrugada no dia 12 após desacatar policiais na Praça Popular. Consta na decisão, com base no boletim de ocorrências, que a acusada estava em um dos bares da região e os militares faziam rondas. Ela jogou um garrafa de cerveja na viatura e os agentes foram até a mulher.

Nesse momento, a jornalista jogou a cerveja que estava em seu copo no rosto de um dos policiais, que pulou a grade para prendê-la. Segurança do local também ajudou a imobilizar a mulher, que chutava e se debatia. Além disso, ela gritava em meio à confusão “seus policiais de merda, meu pai é policial federal e vocês vão ver”.

Presa, ela foi levada para a Central de Flagrantes e para o fórum de Cuiabá. Consta na decisão que “a despeito dos antecedentes criminais da custodiada e de ficar demonstrado em audiência o menosprezo dela em relação ao Judiciário, não parecendo se importar com os processos que responde, sendo irônica e destratando a magistrada e o Promotor de Justiça”.

Além do crime de desacato e resistência, a jornalista tem outras 22 passagens criminais de preservação de direito, ameaça, lesão corporal, perturbação, atrito verbal, constrangimento ilegal, vias de fato e injúria real. O caso foi será investigado pela Polícia Civil.

(Com Gazeta Digital)

Leia Também –

Acompanhe outras notícias no Jornal Integração

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies
Open chat