Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Abate precoce de bovinos aumenta 800% em 14 anos em MT

Os animais com faixa etária compreendida entre 24 e 36 meses respondem, atualmente, por 51% do volume anual de abates em Mato Grosso.

0 103

O ano de 2020 vai chegando ao fim com a tendência confirmada de redução no abate de bovinos mais velhos, com mais de 36 meses. Em 2006, o estado de Mato Grosso chegou a ter 65% do volume total de abates feitos com animais nessa faixa etária.

Nestes últimos 14 anos, tem ocorrido uma grande queda nesse percentual, que desde 2019 está em 31% – uma redução de 78%.

Os animais com faixa etária compreendida entre 24 e 36 meses respondem, atualmente, por 51% do volume anual de abates em Mato Grosso.

De 2006 para cá, esse índice aumentou 54%. Embora considerável, não se compara com os 800% de incremento registrado pelos bovinos com menos de 24 meses, cujo percentual atual é de 18% – tendo sido de 2% em 2006.

Os dados são do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) e refletem a resposta rápida do mercado da carne bovina do estado para atender uma demanda cada vez mais clara por parte do mercado externo.

Um exemplo é a China. Atento à segurança sanitária, o governo chinês definiu um requisito técnico para a importação de carne bovina que acaba resultando na procura por animais mais novos.

“Atualmente, a China possui um requisito, decorrente das medidas de prevenção à encefalopatia espongiforme bovina (EEB), de que todo bovino a ser abatido para a exportação de carne a este país tenha, no máximo, 30 meses de idade”, explica Jean Carlo Cury Manfredini, médico veterinário e adido agrícola em Pequim.

Leia também – Prazo Para Vacinação Do Gado Contra Febre Aftosa É Prorrogado

Até outubro de 2020, o bloco formado por China e Hong Kong respondeu por 56% das exportações totais de carne bovina mato-grossense.

Para que o abate precoce signifique, de fato, uma carne com qualidade superior, todo o ciclo produtivo é modificado – da reprodução à embalagem do produto final.

“É um sistema de produção específico, com cuidados que começam ainda no melhoramento genético. Não basta ‘apenas’ abater mais cedo: é preciso que os animais mais jovens tenham ganho de carcaça. E isso se faz com investimento na nutrição animal, na forma de manejo dos animais, no uso de insumos adequados, na qualificação de mão-de-obra”, explica Bruno de Jesus Andrade, diretor de Operações do Instituto Mato-grossense de Carne (Imac).

Cuidados como esses garantem uma carne com padrão mais elevado de qualidade, e os mercados compradores pagam por esse diferencial. O chamado “boi China” é cotado em patamares superiores do ‘convencional’. Ao longo de 2020, a diferença ficou, em média, em R$ 10,00 a mais por arroba na praça de Mato Grosso.

E a tendência é de que a busca por carne vinda do abate precoce continue crescendo. “Principalmente nas grandes cidades chinesas, entre a população mais jovem e de alto poder aquisitivo, vemos uma tendência de crescimento do hábito de consumo de carne bovina como item principal da refeição. Nesses casos, a carne consumida é muitas vezes resfriada, e não congelada, vinda de animais jovens”, observa o adido agrícola.

Além do apelo comercial, há ganhos ambientais. Animais mais jovens são mais eficientes em aproveitar os alimentos e o tempo de produção é menor. Com isso, podem produzir menos gases de efeito estufa, reduzindo o impacto da pecuária no ambiente a cada quilo de carcaça produzida. (Ascom / Imac)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Politica de Privacidade & Cookies