Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Reitora da UFMT renuncia cargo e alega razões pessoais

0 51

A reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Myrian Thereza de Moura Serra, anunciou  nesta sexta-feira (21), a renuncia do cargo. Um ofício foi encaminhado para o presidente da Associação Nacional do Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), João Carlos Salles Pires da Silva.

Conforme o documento, Myrian permanece no cargo até o final de fevereiro. “Por razões de cunho pessoal, comunico a minha renúncia ao Cargo de Reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a partir de 02 de março de 2020”, diz trecho do documento.

Myrian não confirmou o que irá fazer após deixar o cargo oficialmente. “Agradeço à ANDIFES pelo apoio recebido. Fiz muitos amigos que são essenciais para a vida e para o exercício de nossa função. A partir de agora estarei em outras frentes, sempre em defesa da Educação Superior Autônoma, Pública, Gratuita, Democrática, Laica e Inclusiva”, complementa o ofício assinado eletronicamente pela reitora.

Eleições

No dia 13 de fevereiro, o Colégio Eleitoral Especial da UFMT decidiu, durante uma reunião, adiar o processo de formação da lista tríplice para escolha do novo reitor da Instituição. Sendo assim, a Comissão Eleitoral com os nomes que deveriam ser encaminhados ao Governo Federal não foi criada.

De acordo com o site PNB Online, a decisão tomada foi tida como uma tentativa de driblar a Medida Provisória (MP) nº. 914/2019, atualmente em tramitação no Congresso Nacional. A MP enviada pela Presidência da República altera diversos quesitos relativos à escolha dos dirigentes de Universidades e Institutos Federais. Entre os pontos mais criticados está a extinção da paridade de voto dentro da própria comunidade acadêmica. A escolha de técnicos e estudantes passa a ter o peso de 15% cada um na contagem dos votos, ao passo que professores têm 70%.

Além disso, professores e técnicos aposentados deixam de poder participar do processo de consulta pública e o novo reitor eleito passa a escolher sozinho todos os diretores e vice-diretores de cada unidade da universidade, algo que na UFMT, tradicionalmente, também é feito via consulta à comunidade acadêmica.

Por se tratar de uma MP, a legislação é válida por 60 dias, podendo ser prorrogada por igual período. Caso não seja votada pelo Congresso Nacional até 01 de junho de 2020 (devido ao recesso parlamentar), ela caduca e deixa de ter validade. A negativa dos conselheiros da universidade se dá em razão da expectativa de que o texto não se converta em lei, em razão da má relação entre o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (MDB-RJ), além de não ter sido apresentada pelo Governo como prioridade.

Caso a UFMT desse continuidade ao processo e escolhesse a lista tríplice antes de 01 de junho, todas as alterações que determinam a MP deveriam ser cumpridas durante o processo, mesmo que posteriormente ela não fosse aprovada. (Com informações do PNB Online)

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Politica de Privacidade & Cookies