Ouça a Rádio PRIME FM Ao Vivo

Assista a Prime FMOuça a Prime FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Pai mata bebê enforcado e tenta modificar cena do crime em MT

O crime aconteceu na madrugada, mas o bebê só foi encontrado morto pela manhã, com um carregador enrolado no pescoço. A perícia contrariou a versão do pai. Saiba mais...

Polícia Civil de Primavera do Leste (231 km ao Sul de Cuiabá) está investigando a morte do pequeno João Felipe Salvaterra de Jesus, de 1 ano. Os pais da criança o encontraram já sem vida no berço, nas primeiras horas da manhã de segunda-feira (20), com o fio de um carregador de celular enrolado no pescoço.  Mas, após exame de perícia, foi confirmado que a criança morreu por asfixia, apresentando lesões na boca e na cabeça. O pai foi preso em flagrante.

A Polícia Militar registrou o fato assim que a criança deu entrada na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), por volta das 6h50.

O bebê estava já sem nenhum sinal vital e, de forma preliminar, a equipe médica não constatou nenhum sinal de agressão. Mas, a criança estava com marcas no pescoço.

Aos médicos, o pai contou que o filho estava no berço e que, ao acordá-lo para ir para a creche, flagrou o menino com um cabo do carregador de celular enrolado no pescoço. O pai teria tirado o cabo, flagrou que ele estava com a boca roxa e sem respiração.

Em seguida, fez massagem cardíaca e chamou por familiares, que os levaram para UPA. Polícia Civil foi acionada, registrou o caso e passou a investigar a morte.

Lesões na boca e na cabeça

Conforme o delegado Allan Vitor de Souza da Mata, que assumiu o caso logo em seguida, o pai do menino, que tem 22 anos e trabalha como garçom, acabou preso em flagrante pelo crime de homicídio qualificado. A motivação ainda está sob sigilo.

“Ele contou que ficou com a criança durante a madrugada, narrou a versão do carregador. Mas, o corpo do bebê foi levado para exames em Rondonópolis. Eu estive lá acompanhando e conversei com a médica legista, que destacou que a morte foi causada por asfixia com as mãos”, disse à imprensa.

Ao que tudo indica, o crime ocorreu por volta das 3h e o menino foi colocado novamente no berço. Já por volta das 6h, ele acordou, fez a simulação do enforcamento, chamou a família, fez as massagens, mas tudo teria sido pensado antes.

A criança já estava morta há algumas horas, apontou o laudo. Além disso, foi constatado ainda que o bebê tinha lesões na boca e na cabeça.

Ouvido novamente pelo delegado, o suspeito acabou confessando o crime. Já a mãe da criança foi ouvida e liberada. Por enquanto, não há nada que pese contra ela. O caso segue sob investigação.

(Com Gazeta Digital)

Leia também –

Acompanhe mais informações no Jornal Integração

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies