Ouça a Rádio PRIME FM Ao Vivo

Assista a Prime FMOuça a Prime FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Jovem denuncia cliente por importunação sexual; Veja vídeo

O fato ocorreu em uma loja no centro de Cuiabá, e a vítima prestou depoimento na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher.

Uma jovem de 23 anos foi até a delegacia de Polícia Civil de Cuiabá, registrar uma denúncia de importunação sexual ontem, segunda-feira (19), após um cliente passar a mão em suas partes íntimas no centro de Cuiabá.

Toda a ação foi registrada pela câmera de segurança do estabelecimento – veja o vídeo aqui -, e a ocorrência foi registrada na Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM).

Pela câmera de segurança, foi possível ver que a funcionária estava organizando o setor de brinquedos, enquanto o homem, mexe na prateleira. Segundos depois, o rapaz passa por trás da vítima, e encosta a mão em suas nádegas, a mesma até se assusta, mas continua o serviço.

O rapaz continua no mesmo corredor, mexendo no celular, e assim que a mulher se abaixa, ele volta a repetir o ato,  passando a mão novamente na funcionária.

Logo após o ocorrido, a vítima se desloca para a delegacia, para registrar o caso. As imagens de segurança serão usadas nas investigações. A vítima foi ouvida em depoimento e a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher da capital, segue apurando o caso. (Com informações do Mídia News)

Do Crime

A lei da importunação sexual, é caracterizado pela realização de ato libidinoso na presença de alguém de forma não consensual, com o objetivo de “satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”. O caso mais comum é o assédio sofrido por mulheres em meios de transportes coletivos, beijos forçados e passar a mão no corpo alheio sem permissão entre outras.

Importunação sexual”

Art. 215-A.  Praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, se o ato não constitui crime mais grave.”

Atualmente existem diversas subnotificações, onde muitas vítimas deixam de denunciar a violência, por medo, ou por vergonha.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies