Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM

Estudo aponta que cuiabanos são os mais “gordinhos” do Brasil

0 21

s cuiabanos lideram o ranking das Capitais com o maior número de pessoas acima do peso ideal e obesidade. Segundo pesquisa do ministério da Saúde, 65,1% dos homens estão com excesso de peso e 29,3% mulheres são obesas. O levantamento constatou que o número de pessoas obesas cresceu no ano passado em relação aos anteriores.

No total, 60,7% estão acima do peso e 23% estão obesos. Em relação ao excesso, a Capital mato-grossense saiu na frente do ranking por apenas um décimo e deixou em segundo lugar a cidade de Manaus (60,6%) e, em terceiro, Rio Branco (60,2%). Já na categoria obesidade, Cuiabá também empatou com a Capital amazonense.

Em 2017, o número era menor. À época, 57,4% estavam acima do peso e 22,7% eram obesas. Segundo o ministério da Saúde, os dados acompanham uma tendência nacional de aumento. Em comparação com os resultados dos anos anteriores, a pasta identificou que o peso das pessoas voltou a crescer no país, trazendo sérios riscos para a saúde.

Isto por que, nos últimos três anos, os números da doença eram estáveis. Desde 2015, a prevalência de obesidade se manteve em 18,9%. Mas, no ano passado, houve aumento de 67,8% nos últimos 13 anos, saindo de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018.

Os dados apontaram ainda que, em 2018, o crescimento da obesidade foi maior entre os adultos de 25 a 34 anos e 35 a 44 anos, com 84,2% e 81,1%, respectivamente. Apesar de o excesso de peso ser mais comum entre os homens, em 2018, as mulheres apresentaram obesidade ligeiramente maior (20,7%) em relação aos homens (18,7%).

A pesquisa também registrou crescimento considerável de excesso de peso entre a população brasileira. No Brasil, mais da metade da população tem excesso de peso (55,7%). Um aumento de 30,8% quando se compara com percentual de 42,6% no ano de 2006. A prevalência foi maior entre as faixas etárias de 18 a 24 anos, com 55,7%. Quando verificado o sexo, os homens apresentam crescimento de 21,7%, e as mulheres 40%.

Boa notícia
Porém, na contramão de todo esse cenário, houve aumento de 15,5% no número de consumo regular de frutas e hortaliças entre os anos de 2008 e 2018. A prática de atividade física no tempo livre também aumentou 25,7% (2009 a 2018), assim como o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu 53,4% (de 2007 a 2018), entre os adultos das capitais.

“Nós temos um aumento maior da obesidade em decorrência do consumo muito elevado de alimentos ultraprocessados, de alto teor de gordura e açúcar. Então, o incentivo ao consumo de hortaliça entre as crianças e os adultos é fundamental. Está acontecendo uma mudança de comportamento, de paradigma importante no Brasil. E também, compete a nós, a gestão, ampliarmos o incentivo ao consumo de alimentos mais saudáveis e também promover a economia local, com o consumo de hortaliças. Quanto mais próximo de casa eu compro o alimento, mais saudável ele é, e mais fresco eu vou consumi-lo”, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira.

Os números fazem parte da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, que são organizados pela própria pasta federal. Para avaliar a obesidade e o excesso de peso, a pesquisa leva em consideração o Índice de Massa Corporal (IMC). Por meio dele, é possível classificar um indivíduo em relação ao seu próprio peso, bem como saber de complicações metabólicas e outros riscos para a saúde.

O Vigitel é uma pesquisa telefônica realizada com maiores de 18 anos, nas 26 capitais e no Distrito Federal, sobre diversos assuntos relacionados à saúde. Assim, entre fevereiro e dezembro de 2018, foram entrevistados por telefone 52.395 pessoas. Em Cuiabá, foram 2.026. (Do RD News)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Politica de Privacidade & Cookies