Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Testes rápidos podem apresentar resultados falsos; diz secretário

Os testes rápidos são exames de triagem e não de diagnóstico, por isso devem ser acompanhados por um relatório médico para serem validados.

O número de casos confirmados com covid-19 em alguns municípios são superiores aos casos registrados pela Secretaria de Estado de Saúde. Isso acontece, de acordo com o secretário, Gilberto Figueiredo, pelo fato de as secretarias municipais não enviarem relatórios anexos aos resultados de teste rápido.

Somente são validados pela SES, os casos confirmados através de exames RT-PCR, que são feitos pelo Laboratório Central do Estado de Mato Grosso (Lacen), ou em outros laboratórios credenciados. Acontece que os testes rápidos são exames de triagem e não de diagnóstico, por isso devem ser acompanhados por um relatório médico para serem validados.

“Nós não estamos excluindo 100% a utilização do teste rápido, mas acompanhado de uma avaliação diagnóstica dos médicos, documentado, ele pode ser sim. Basta apenas adotar o protocolo estabelecido e nós vamos sim adaptar e trazer para o nosso boletim, todos os casos oficiais do Estado de Mato Grosso”, alertou Figueiredo.

Testes rápidos podem apresentar resultados falsos; diz secretário
Secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo. (Foto: Print 93 FM)

De acordo com Gilberto Figueiredo, secretário de Estado de Saúde, existe uma probabilidade de 10 até 44% de que os testes rápidos possam apresentar resultados falsos negativo.

“Porque já existe comprovado, através de vários estudos, que aproximadamente de 10 à 44% podem significar falsos negativos. Isso significa que o paciente já está infectado, mas no momento em que o teste foi realizado, o teste rápido não tinha capacidade de identificar essa (inaudível) no paciente”, disse o secretário.

Para o Governo de Mato Grosso, especialmente para a Secretaria de Estado de Saúde, os casos confirmados com covid-19 somente serão aceitos, os resultados diagnosticados por exame RT-PCR. Conforme Figueiredo, o teste rápido somente é validado, acompanhado por documentos comprovatórios de autoridade médica.

“Para o Estado de Mato Grosso e para o Lacen, o teste que vale para reconhecer esse diagnóstico é o PCR. Por isso coleta-se a amostra, mesmo depois de falecido o paciente, essa amostra vai ao Lacen e é feito o teste”, revelou o Secretário de Saúde.

Ainda sobre o assunto, o secretário disse – em uma transmissão de Live – que existe uma nota técnica disponível no site da Secretaria de Estado de Saúde, onde os municípios podem ter acesso. Através dessa nota, é possível seguir todo o protocolo de confirmação da doença provocada pelo novo coronavírus.

“Vigilâncias municipais que optem pela decisão de confirmar casos assintomáticos, por teste rápido, sem a devida investigação epidemiológica, precisam considerar e assumir os perigos dessa conduta. Por tanto, o COI Covid-19 MT contabilizará como caso confirmado, após o envio de documentos comprovatórios validados pelos municípios e escritórios regionais de saúde”, leu a nota técnica, Gilberto Figueiredo.

A SES contabiliza, apenas, os diagnósticos dados por exame RT-PCR
do Lacen ou laboratórios credenciados.
Testes rápidos podem apresentar resultados falsos; diz secretário
Nota técnica da Secretaria de Estado de Saúde. (Foto: Print 93 FM)

 

As secretarias municipais de saúde devem seguir o protocolo do Estado, para que os resultados sejam ou não confirmados pela SES.
Testes rápidos podem apresentar resultados falsos; diz secretário
O protocolo pode ser encontrado no site oficial da Secretaria de Estado de Saúde. (Foto: Print 93 FM)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies