Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Estudantes do IFMT protestam contra corte de R$ 31 milhões

Estudantes de campi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (IFMT) fizeram protestos nessa segunda-feira (6) contra o bloqueio de R$ 31.838.793,00 no orçamento da instituição para este ano.

O corte foi anunciado pelo Ministério da Educação (MEC) e decretado pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Os protestos contra a decisão ocorreram no campus Bela Vista, em Cuiabá, Campo Novo do Parecis e Guarantã do Norte.

Vestidos com camisetas pretas, brancas e carregando bandeiras do Brasil, Mato Grosso e o IFMT, os alunos protestaram nas fachadas das instituições.

Corte no orçamento
O reitor da instituição de ensino, Willian Silva de Paula, divulgou na sexta-feira (3) uma nota sobre o replanejamento que está sendo feito para manter as atividades do IFMT em 2019. Uma das medidas citadas pelo reitor está a redução de contratos.

“Este novo cenário poderá inviabilizar as ações planejadas impactando diretamente no resultado esperado desta IF junto à comunidade mato-grossense, impondo inclusive cortes radicais em contratos visando a manutenção e qualidade de ensino ofertados pelos campi”, pontuou, na nota.

Nesta semana está prevista uma reunião do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica para discutir o impacto do bloqueio na rede de ensino. Depois disso, segundo o reitor, os membros do Colégio de Dirigentes do IFMT se reunirá para readequar, reestruturar objetivando minimizar os prejuízos que vierem a ocorrer.

Com o corte, o IFMT deixará de receber verbas referentes às emendas parlamentares, que somam quase R$ 8 milhões. O dinheiro das emendas não será liberado.

Decreto
No decreto de dia 29 de março, o governo detalhou o bloqueio de mais de R$ 29 bilhões em gastos no Orçamento de 2019. A área mais atingida foi a educação (R$ 5,83 bilhões), seguida de Defesa (R$ 5,1 bilhões).

No entanto, em termos percentuais, o maior bloqueio aconteceu no Ministério de Minas e Energia (79,5% do total), seguido pelo Ministério de Ciência e Tecnologia (41,97%), Infraestrutura (39,46%), Defesa (38,61%), Turismo (37,12%), Desenvolvimento Regional (32,37%).

Os menores contingenciamentos foram nas áreas de Saúde (2,98%), na Controladoria-Geral da União (13,63%) e no Ministério das Relações Exteriores (19,97%). (Do G1 Mato Grosso)


Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies