Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Assista a Rádio 93FM Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Contas de energia terão reajuste de 2,47% e tarifa social volta a normalidade

O reajuste está previsto para ocorrer anualmente e, devido a pandemia, havia sido postergado por um período de 90 dias.

As contas de energia elétrica, em Mato Grosso, terão um aumento de 1,50% para os consumidores residenciais e 2,47% para empresas, nas próximas faturas. O reajuste está previsto para ocorrer anualmente no mês de abril, mas devido a pandemia foi adiado para julho, após aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

O reajuste havia sido postergado por um período de 90 dias, pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos (AGER-MT). Esse aumento começou a vigorar no dia 1º de julho de 2020, onde a Tarifa Social também voltou a ser cobrada com os descontos já previstos antes da pandemia.

Para esclarecer dúvidas ou fazer reclamações em relação aos novos valores que virão na fatura, a partir do próximo mês, a concessionária de distribuição de energia elétrica em Mato Grosso disponibilizou canais de atendimentos. O telefone 0800 64 64 196 pode ser discado para solicitar essas informações.

Se os consumidores não tiverem suas demandas de reclamações e dúvidas resolvidas pela distribuidora também podem entrar em contato com a Ouvidoria da AGER-MT, pelos canais de atendimento disponibilizados, entre eles, o telefone 0800 727 0167 ou WhatsApp (65) 98435-7458.

Uma outra alternativa para os consumidores registrarem reclamação, é o Consumidor.gov.br, disponível desde 2014. A ferramenta proporciona a interlocução direta entre consumidores e fornecedores e funciona 24 horas por dia, nos sete dias da semana. Também há uma versão de aplicativo, que pode ser baixada no celular com Android. (Com Procon-MT)

 

 

Tarifa social

A Tarifa Social (TSEE) foi criada pela Lei n° 10.438, de 26 de abril de 2002. Por meio dela, são concedidos descontos para os consumidores enquadrados na Subclasse Residencial Baixa Renda. A Lei nº 12.212, de 20 de janeiro de 2010 e o Decreto nº 7.583, de 13 de outubro de 2011, regulamentam esse benefício.

Os consumidores da subclasse Residencial Baixa Renda são beneficiados com a isenção do custeio da Conta de Desenvolvimento Energético – CDE e do custeio do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica – PROINFA.

Contas de energia terão reajuste de 2,47% e tarifa social volta a normalidade 3
A tarifa social está regulamentada pelo Decreto N.º 7.583 de 13 de outubro de 2011. (Foto: Reprodução)

Já as famílias indígenas e quilombolas inscritas no Cadastro Único que atendam aos requisitos tem desconto de 100% até o limite de consumo de 50  kWh/mês (quilowatts-hora por mês), e percebem os descontos da tabela a seguir.

Contas de energia terão reajuste de 2,47% e tarifa social volta a normalidade 4
Indígenas e Quilombolas também têm direito à Tarifa Social. (Foto: Reprodução)

 

 

Quem tem direito?

Para ter direito ao benefício da Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE), deve ser satisfeito um dos seguintes requisitos:

  • Família inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – Cadastro Único, com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional; ou  
  • Idosos com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais ou pessoas com deficiência, que recebam o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social – BPC, nos termos dos arts. 20 e 21 da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993; ou  
  • Família inscrita no Cadastro Único com renda mensal de até 3 (três) salários mínimos, que tenha portador de doença ou deficiência (física, motora, auditiva, visual, intelectual e múltipla) cujo tratamento, procedimento médico ou terapêutico requeira o uso continuado de aparelhos, equipamentos ou instrumentos que, para o seu funcionamento, demandem consumo de energia elétrica.  

 

 

Como solicitar o benefício?

Um dos integrantes da família deve solicitar à sua distribuidora de energia elétrica a classificação da unidade consumidora na subclasse residencial baixa renda, informando:

  1. Nome, CPF e Carteira de Identidade ou, na inexistência desta, outro documento de identificação oficial com foto, ou ainda, o RANI, no caso de indígenas;  
  2. Código da unidade consumidora a ser beneficiada;  
  3. Número de identificação social – NIS e/ou o Código Familiar no Cadastro Único ou o Número do Benefício – NB quando do recebimento do Benefício de Prestação Continuada – BPC; e  
  4. Apresentar o relatório e atestado subscrito por profissional médico, somente nos casos de famílias com uso continuado de aparelhos.  

A distribuidora efetuará consulta ao Cadastro Único ou ao Cadastro do Benefício da Prestação Continuada para verificar as informações prestadas, sendo que a última atualização cadastral deve ter ocorrido até dois anos.

Maiores informações podem ser obtidas junto à distribuidora local ou, na ANEEL, pelo telefone 167. Para informações sobre como se cadastrar no Cadastro Único entre em contato com a prefeitura local, ou acesse a página do Ministério da Cidadania em https://cidadania.gov.br/.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies
Open chat