Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio PRIME FM Ao Vivo

Assista a Prime FMOuça a Prime FM

Ouça a Rádio 93FM



Assista a Rádio 93FM

Casal é condenado por tentativa de homicídio contra filha adotiva

O homem e a mulher foram condenados a mais de 10 anos de prisão, porém, a mulher poderá recorrer em liberdade.

Um casal foi condenado a mais de 10 anos de prisão, por tentativa de homicídio contra a própria filha, de apenas 12 anos. A sessão do Tribunal de Juri ocorreu na noite desta terça-feira (20), e a sentença proferida foi de 13 anos de reclusão para o homem, que já estava preso, e 14 anos para a mãe adotiva, que poderá recorrer em liberdade.

O caso aconteceu em agosto de 2017, quando um pastor foi chamado até a casa da família para atender uma suposta tentativa de suicídio, em Sorriso. De acordo com a ocorrência, após algumas horas a mãe da garota também acionou o Corpo de Bombeiros, que encaminhou a criança até o Hospital Regional de Sorriso.

A versão, supostamente apontada por familiares, é de que a mesma estaria sofrendo transtornos espirituais e teria tentado contra a própria vida com um fio de ventilador, envolto no pescoço. Entretanto, profissionais da saúde suspeitaram da versão apresentada e foram ouvidos pela Polícia Judiciária Civil da cidade.

Em uma entrevista coletiva, o Promotor de Justiça, Dr. Luiz Fernando, disse que a decisão do Juri foi acertada e proporcional a gravidade da conduta. De acordo com o promotor de Justiça, não existem provas de que a garota teria cometido tentativa de suicídio.

“Foi uma decisão acertada, justa, adequada, proporcional a gravidade da conduta praticada. O padrasto e a mãe tentaram matar a vítima no dia 30 de agosto de 2017, em um ambiente familiar. Todas as provas descartam tentativa de suicídio, todo o arcaboiço probatório produzido na relação processual, laudo pericial, relatórios policiais de investigação. Todas as provas são bem seguras, robustas e incriminatórias (sic) que comprovaram a tentativa de homicídio praticada contra a menina”, pontuou o promotor.

Já do outro lado, a defesa, por meio do advogado Dr. Marcos Rogério, alega que a sentença não foi adequada, devido à simplicidade do Juri.

“São pessoas da comunidade, pessoas leigas no que diz respeito ao direito e a gente está muito tranquilo. Uma sentença um tanto quanto exacerbada, clara pra nós com relação à provas. Nós entendemos de foram bem clara que o que foi julgado aqui foi totalmente contrário as provas que existem no processo”, disse o advogado.

A informação é de que a defesa irá recorrer ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso, solicitando a anulação do Tribunal de Juri. De acordo com o advogado, a própria perícia indica que não houve tentativa de homicídio.

“Laudo da perícia Técnica deixou bem claro que o que aconteceu foi enforcamento e para quem entendene de medicina legal o enforcamento é com o peso do próprio corpo. Ouvimos o perito e o perito afirmou isso, inclusive no laudo que não tem nenhum tipo de lesão”, argumentou a defesa.

A mulher foi condenada a 14 anos de reclusão e, segundo a sentença, poderá recorrer em liberdade. Já o o padrasto, que estava preso desde 2018, permanecerá cumprindo a condenação.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. AceitoLeia Mais

Politica de Privacidade & Cookies
Open chat