Rádio 93FM
Com você onde você for.

Ouça a Rádio 93FM Ao Vivo

Ouça a Rádio 93FM

Ouça a Rádio 93FM

Justiça deve investigar vereador por falsidade ideológica; parlamentar diz não ser notificado

0 12

O vereador por Sinop, Adenilson Rocha (PSDB), deve ser investigado pelo Ministério Público, por supostamente ter cometido o crime de Falsidade Ideológica. Quem solicitou o pedido foi o promotor Pompilio Paulo Azevedo, da Promotoria Criminal.

Conforme a ação popular, Rocha teria apresentado “atestado de pobreza” para evitar o pagamento de custas processuais, neste sentido, teria apresentado declaração de hipossuficiência, ou seja, quando uma pessoa declara não ter condições financeiras para arcar com as despesas e os custos de um processo judicial.

Em manifesto, o promotor considerou a posição de Rocha, que além de vereador também é empresário. “Extração de cópia da inicial, declaração de hipossuficiência e edital de licitação visando o encaminhamento a Procuradoria de Justiça Criminal para fins de apuração de eventual crime de falsidade ideológica, considerando a atual posição do autor, vereador e empresário, e a declaração de hipossuficiência de ID 16807631 – Pag. 1, bem como a indicação do valor da causa em valor irrisório, considerando-se o valor do contrato celebrado”, pediu o promotor Pompílio Paulo Azevedo Silva Neto.

O parlamentar entrou com um pedido para que a prefeitura interrompesse o processo de instalação dos controladores de velocidade em Sinop. Em dezembro de 2018 o juiz Mirko Vicenzo Gianotte acatou o pedido do vereador, entretanto, em fevereiro deste ano, a Justiça derrubou a liminar e autorizou a instalação dos aparelhos.

Outro lado
Para a Rádio 93 FM, Adenilson afirmou que entrou com uma ação popular e argumentou que conforme o Artigo 5º da Constituição Federal, ele pode entrar com pedido de Justiça gratuito, ocorre que o promotor negou esse pedido. “Na verdade isso é uma briga de gigante”. Entramos com a ação, pra que a gente não precise pagar o custeio do processo, eu não tenho interesse nisso, eu tenho interesse em não deixar lesar o patrimônio público”, disse.

Adenilson afirma ainda, que a empresa responsável pela instalação quer que ele desista da ação e assegura também que não foi notificado sobre a ação. Ele aponta que soube da investigação pela imprensa da capital Cuiabá. “é inadmissível isso, vou esperar que o próprio promotor faça sua investigação. Estou à disposição pra responder”, conclui.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja bem com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Leia Mais

Politica de Privacidade & Cookies
Seja bem vindo!
Powered by 93FM